Caindo de si mesmo, em si mesmo…

‘pois estou só e quero que o olvido
devolva aos dias tua leve sombra
para esta já cansada ostentação
de umas palavras em que a tarde esteja’.

jorge lui borges

Jorge Luis Borges en Palermo, foto Ferdinando Scianna (1984)02

Caríssima A.,

…aconteceu novembro em mim, no meio dessa tarde, enquanto observava a janela e a cidade em seu estado de pausa. Às vezes, parece que o tempo para e a vida não se atreve a sair do lugar… permanece imóvel, como se aguardasse algo a acontecer… um estalo, um estouro.

Hoje aconteceu um punhado de pesadas nuvens… vindas do mar — lentamente. Cobriu toda a cidade em minutos. Um vento insano rasgou a paisagem, invadiu a casa e cobriu minha pele de arrepios. Fechei os olhos e me esqueci dentro da pele. Choveu pesado dentro, fora e por todos os cantos da pele, da casa, da cidade…

Choveu como não chovia havia tempos… exatos doze meses. Me lembrei de ler em tua missiva — ‘já é quase novembro’ — e com ela ‘em mãos’ eu apenas ri… eram apenas palavras suas numa folha de papel… uma espécie de caminhar que não te leva para casa, sabe?

Eu e o calendário não temos qualquer entendimento… não sei como se organiza essa sequência de números insana, rotulados com seus nomes equivocados. Eu tenho meus próprios ritmos de vida e não-vida… minhas somas, meus rituais de ir e vir. No final do mês será meu ano novo. No final do ano, será apenas troca de calendário. Não vou estourar champanhe, soltar fogos, fazer festa, promessas, pular sete ondas. Vou assistir de novo o mesmo filme, ler o mesmo livro e agarrar-me a pele daquele que já se acostumou aos meus desfeitos…

E Novembro — esse novelo de lã — aconteceu apenas hoje… justamente quando chovia fortemente por cima da cidade. Eu me encolhi em mim mesma… e de meu canto de mundo, revisitei cada um dos meses desse meu ano. Fui revendo meus lugares-paisagens… passando a limpo os fatos que a memória escolheu guardar…

São trezentos e tantos dias… você sabe… não há como guardar tudo. Algo sempre se perde, mas eu não faço idéia de como se orienta essa escolha. Você sabe? Deveria ser como os livros de poesias que trago comigo. Pela manhã, eu abri o livro de Borges — o outro, o mesmo — e a poesia da página ficou em mim.

Au revoir

L.

Anúncios

3 comentários sobre “Caindo de si mesmo, em si mesmo…

Pronto para o diálogo? Eu estou (sempre)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s