BEDA — Daqui a pouco eu saio da sua vida…

“não há nada que o silêncio não mate”

Dulce Maria Cardoso

WhatsApp Image 2017-08-11 at 23.55.40

Caríssima A.,

…fiz uma pausa no meio da tarde para tomar uma xícara de chá e, como de costume, enquanto aguardava pela fervura da água… fui até a estante e voltei com um livro em mãos. Existe qualquer coisa de magia no tempo de espera por trás de uma xícara de chá.

Sentei-me à mesa da cozinha… com ‘os meus sentimentos‘ e a xícara — e enquanto esperava… foi como ler você ‘ainda crua’, quando chega às minhas mãos, em folhas soltas-avulsas e eu preciso uní-las. Gosto imenso de sua chegada… porque há nesse teu gesto qualquer coisa de sorriso-entrega-e-confiança. E eu fico a te esperar desde o momento em que lhe peço um texto. Você é a minha xícara de chá…

Não sei se conhece a autora desse livro — dulce maria cardoso. Ela foi publicada pela ‘tinta da china’… uma das poucas editoras no mundo que eu gostaria de trabalhar se a Scenarium não fosse meu canto-lugar. Eles têm o meu ritmo-cor-sabor… pensam o livro, o autor e dão valor as páginas… que unidas, são como envelopes a caminho dos correspondentes — missivas que narram vida-realidade-fantasia.

Depois de um bom punhado de páginas devoradas — eu nunca presto atenção naqueles números tolos que servem apenas para que eu possa ir socorrer o grito agudo da chaleira e voltar imediatamente ao ponto de pausa — descobri a frase que me levou para junto de ti…daqui a pouco eu saio da sua vida‘. Um sorriso coloriu meus lábios, fiquei em suspenso por alguns segundos, tempo suficiente para secar a saliva e pensar… ‘será que minha autora anda por aí em outras peles?‘ — mas na página seguinte estava a pergunta-resposta… ‘sabia que a pele é o maior órgão do corpo?’e eu bufei a imaginá-la dentro de suas paredes, a espiar sua realidade, a experimentar o que lhe chega e a se perder do que se vai. 

Ah, minha cara… esse livro é como o seudiário das coisas que não aconteceram— é para se encher de post its e ler dúzias de vezes no outono, mas estamos no inverno e não quero ‘rabiscar’ paredes com frases inteiras — suas, é claro. 

 

“por ser a última vez  que abro este portão de ferro, o gesto, vulgar, torna-se importante”

 

bacio

selo para o BEDA

Anúncios

3 comentários sobre “BEDA — Daqui a pouco eu saio da sua vida…

  1. Aden Leonardo Camargos disse:

    Imediatamente sentei-me à sua frente e fiquei olhando as páginas deste livro. Teria sim viajado quanticamente se não fosse pela gata que leva teu nome, pulado no meu colo e despertado o relógio do “estar”. Longe e perto.

    Minhas linhas desconexas saíram de peles, de encontros que talvez eu tenha me sentido abrigada, tamanha era a ausência de mim mesma.

    Mas de ti, não. Não posso afirmar o para sempre ou o nunca, mas por vontade eu jamais afastaria a cadeira da mesa do café da qual sentei com você.

    Te amo.

Pronto para o diálogo? Eu estou (sempre)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s