6 on 6 | Urban Art

Novo ciclo… andanças-olhares-passos-calçadas-lugares… a cidade, que sou e a que me recebe com sua arte inconveniente — para uns e outros —, que nem sempre alcança olhares — o outro lado da rua-viaduto-alameda. Às vezes, fica no reboco… prestes a despencar das paredes frágeis — história reinventada tantas vezes.

Baudelaire disse “as cidades mudam mais depressa que a alma dos mortais“… e sempre que saio às ruas, levo comigo essa frase… na pele — feito tatuagem… e, na alma — para manter o olhar atento-disciplinado e nada me escape…

DSC_0041-1

1 — gosto imenso das frases que surgem em meio ao caos da novidade urbana. É uma espécie de grito que ultrapassa a janela do ônibus e pousa em meus olhos-ouvidos. Eu grito junto — o mais alto possível — do lado de dentro e rabisco nas paredes da pele-corpo um verso ou outro:

“a rua ia gritando e eu ensurdecia”.

.

2017-04-25 17.42.58

2 — gosto imenso quando a arte é interferência nos lugares… te olha de frente-encara e te diz um punhado de verbos que você não pode se recusar a conjugar.

“as persianas abrigam certas lúxurias”

.

Escadaria do Mirante 9 de Julho - São Paulo

3 — preciso que meu passo esbarre na realidade, consciente de que seu destino é o imaginário… certas frases são pontos em meus mapas secretos, que só quem me lê, reconhece.

“Farejando em cada canto os acasos da rima
Tropeçando em palavras como nas calçadas”

.

Biblioteca Mário de Andrade - São Paulo

4 — sempre existe a pergunta: o que é Arte? E até hoje não desenhei uma resposta possível-impossível. Não dá para atribuir um mísero significado sem deixar que algo se perca-desapareça. Mas, quando olho e algo gruda na retina e se espalha pela pele-amalgama… sei exatamente o que é Arte! E não dou a mínima para os contrários existentes no mundo dos outros.

“em cidades e campos, telhados e trigos
Exercito sozinho essa absurda esgrima”

.

Rodapé... Portugal

5 — as entradas e saídas. partidas e chegadas ou apenas um ou outro curioso (como eu) que se inquieta com a palavra deixada no chão (sabe-se lá há quanto tempo). Nem mesmo é o idioma local. Talvez remeta aos construtores do pequeno edifício de quatro andares, com sua escadaria de madeira que range subidas-e-descidas.

“paisagem feita de um sem-número de vidas”

.

Dos cenários que se reinventam, Berlim

6 — Gosto imenso quando todo o cenário é arte… uma espécie de pantomima. Tudo se forma-deforma-dissolve. Há tanto para olhar-provar-embriagar-sentir que a cada novo olhar, um novo elemento se exibe, te alcança e se perde…

“deem à cidade um pouco do vosso amor à paisagem”

.


.

Participam dessa interação

Ana Claudia | Maria Vitória | Mariana Gouveia | Obdulio Nunes Ortega 

.


Anúncios

6 on 6 | Preto & Branco

Fui até a prateleira buscar por um livro-poeta-versos que me servisse de barco-mar… queria navegar por esse punhado de dias-semanas-meses de dois mil e dezoito. Gosto de ao chegar em dezembro pensar que o ano é como uma bobina — daquelas antigas — em que se pode retroceder e avançar a fim de visitar o que foi e não foi.

Voltei com Eliot — esse homem-senhor-poeta com sua inabalável fé na magia do que é invisível. Amém


das coisas que incomodaram

1 — Sigamos então, tu e eu / enquanto o poente no céu se estende / Como um paciente anestesiado sobre a mesa; / Sigamos por certas ruas quase ermas, / Através dos sussurrantes refúgios / de noites indormidas em hotéis baratos…

com luciana nepomuceno

2 — Ruas que se alongam como um tedioso argumento / Cujo insidioso intento / É atrair-te a uma angustiante questão… / Mas não perguntes: “qual?” /  Sigamos a cumprir nossa visita…

com as meninas na pavão

3 — E na verdade tempo haverá / Para que ao longo das ruas flua a parda fumaça, / Roçando suas espáduas na vidraça: / Tempo haverá, tempo haverá / para moldar um rosto com quem enfrentar / Os rostos que encontrares…

dog 2

4 — Tempo para matar e criar, / E tempo para todos os trabalhos e os dias em que mãos / Sobre o teu peito erguem, mas depois deixem cair uma questão…

DSC_0027

5 — Tempo par ti e tempo para mim / E tempo ainda para uma centena de indecisões, / E uma centena de visões e revisões, / Antes do chá com torradas…

6 on 6 o que te inspira 4

6 — E na verdade tempo haverá / Para dar rédeas à imaginação. “Ousarei?” e “Ousarei?” / Tempo para voltar e descer os degraus, / Com uma calva entreaberta em meus cabelos / (Dirão eles: “como andam ralos os teus cabelos”) / — Ousarei  /  Perturbar o universo? / Em um minuto apenas  há tempo / Para decisões  de revisões que um minuto revoga…

.


…daqui a pouco será outro ano, outra vida e eu também serei outra, mas levarei cada tecitura na memória e nas ranhuras do corpo. Grata a todos que foram fios dessa preciosa teia.


* trechos do poema “a canção de amor de J. Alfred Prufrock — tradução de Ivan Junqueira.

 

 

Cilene Mansini | Fernada AkemiIsabelle Brum  
Maria VitóriaMariana Gouveia | Obdulio Nuñes Ortega

6 on 6 | Trick or treat

6 on 6 trick or treat 11 — Sempre considerei o ato de cozinhar: uma travessura. A melhor de todas. A preferida, sem dúvidas. Aprendi a pensar no prato que irei preparar… e, a partir disso,  fazer a lista de ingredientes. Lavar. Descascar. Cortar. Picar. Fatiar… entre goles de vinho branco e, ao som de uma canção, porque uma boa trilha sonora… é indispensável!

6 on 6 trick or treat 22 — Na cozinha… é onde certas manias se destacam. Todas as coisas precisam estar em seu devido lugar, organizadas e prontas para uso. Organização na Cozinha é essencial… Pia limpa. Uma boa tábua. Um excelente conjunto de panelas… e uma faca bem afiada…

6 on 6 trick or treat 33 — Gosto imenso de ter todos os ingredientes prontos, devidamente separados… antes de começar a preparar um prato. Embora, às vezes, opte por preparar, conforme os levo ao fogo. Depende de quem está comigo, na cozinha. Se tenho companhia, gosto da dança que é papear e preparar — uma combinação (deliciosamente) perfeita!

6 on 6 trick or treat 44 — Adoro preparar caldos-risotos-massas! E para essa (deliciosa) noite fria de outubro, escolhi um dos meus favoritos: caldo de legumes… cebola e alho picados. alho poro fatiado. batata fatiada. cenoura ralada e milho cozido a vapor.

6 on 6 trick or treat 55 — A travessura começa (e quem já foi convidado aos jantares que sirvo, sabe) quando os aromas explodem no ar. Se um cheiro não me agrada: não como. Meu apetite é movido a aroma. Gosto imenso do cheiro do alho e cebola a dourar no azeite e dos ingredientes a cozinhar len.ta.men.te. Respiro fundo e visto o melhor dos meus sorrisos.

6 on 6 trick or treat 6 - caldo de legumes6 — A cozinha sempre me lembrou que os aromas são passageiros. Um instante e pronto: acabou… fica apenas a memória e essa precisa ser alimentada de novo e de novo e de novo. Gosto quando alguém diz que se lembrou das bruchettas, do pão de batatas, da massa… que eu preparo. Gosto quando alguém me liga e pede “faz aquele seu nhoque para mim”… é meu ‘trick or treat‘ — um alegria tão natural-minha, que faz transbordar o melhor dos sorriso…

 



Ana Claudia |  Claudia Leonardi  | Fernanda Akemi
Isabelle Brum  | Luana de Sousa | Mari de Castro |
Maria VitóriaMariana Gouveia | Obdulio Nuñes Ortega

 


 

6 ON 6 | Passos

Gosto imenso de andar porque o passo avança no mesmo sentido da pena-lapiseira e o chão é uma espécie de papel onde escrevo. Tomo nota das coisas que vejo-sinto-percebo…

dsc_00321  — gosto imenso quando o passo é pausa e eu posso fechar os olhos, descansar os pés e beber pequenos goles de ar-vida-quietude-serenidade… 

Outono - estação favorito do ano— quando meu passo é ultrapassado por outros passos… a caminho de minha porção de mundo, o porto onde ancorar meus pés. 

img_20180811_141417_948— quando as distâncias se reinventam e na melhor das companhias, eu alcanço outras paisagens… que mesmo inéditas, sempre estiveram em mim…

dsc_00911— quando o passo do outro se encontra com o meu e avançamos por caminhos urbanos, dessa metrópole que me convida as suas vias…

perceber o dia— de chegar a casa e despir os pés… sentir as ranhuras do chão, os aromas conhecido do lugar e reconhecer que o melhor verbo a se conjugar é: voltar…

DSC_0135— e não importa o caminho que eu percorra, quando na companhia dele, ainda que a gente vá até a cozinha para brincar de ‘nós dois’ é o melhor destino possível. 

 


 

Ana Claudia | Anália BossClaudia Leonardi  | Fernanda Akemi  Luana de Sousa
Mari de Castro | Maria VitóriaMariana Gouveia | Obdulio Nuñes Ortega

 


 

6 on 6 | … as cores da manhã!

Recentemente me perguntaram: que cor tem as suas manhãs?  levei um susto e me calei porque sou uma pessoa notívaga, que aprecia as sombras e o breu… e fecha os olhos varias vezes ao dia… para anoitecer dentro.

Fiquei com a pergunta em mente e me lembrei de que no outono-inverno, as cores são outras, portanto, as manhãs também.

DSC_0135

— as primeiras horas do dia, da manhã. A janela aberta e nós dois a tagarelar as coisas da vida… daqui a pouco a gente segue pelos caminhos da cidade. Mas, enquanto isso, permanecemos aqui, entre lençóis, com pijama xadrez e os pés enfiados em meias. Mais meia hora… antes que o relógio cante as suas horas de sempre e tudo comece para valer!

dsc_0041

— abrir as janelas pela manhã. Deixar entrar a luz do sol. Perceber a realidade… essa eterna tela de Hopper, com suas muitas janelas, recortes de nada. Dentro e fora. Luz e sombra. Todos os contrastes de vida-realidade. O que chega… e o que fica pelo caminho.

dsc_0021

— ir a rua e apreciar a realidade de uma manhã em plena segunda-feira. Tudo é rotina pelo caminho. O cinza-asfalto. O verde-das-árvores. O roxo-da-florypê. As pessoas em seus movimentos de vida… 

dsc_0003

— enquanto caminho repito dentro, os versos do último livro lido (ARIEL, de Sylvia Plath) — ‘o membro em febre, o pecado, o pecado /  Crepita a chama / O indelével aroma / da vela apagada!” — eis que enquanto persigo os desenho da cidade, uma folha se desprende do alto da árvore e pousa aos meus pés, no meio do caminho. Abaixo e a levo comigo. 

dsc_0271— centro velho Paulistano e suas muitas figuras mortas-envelhecidas. Fotografia do ontem-hoje-amanhã. Cenário de filmes. Cópia de outra vida-mundo-realidade. Aqui se pode respirar o cheiro de mofo-antigo-nublado a qualquer hora-momento do dia-semana-mês-ano. Mas, até quando? 

dsc_0337.jpg

— alamedas com nomes de pássaros. O café entre esquinas. E no meio do caminho… o outono mostra seus tons de vida-e-morte. 

 


Claudia Leonardi  | Fernanda Akemi  |  Maria Vitoria
Mariana Gouveia Mari de Castro Obdulio Nuñes Ortega |


 

beda interative-se