ao mesmo tempo | susan sontag

Gosto imenso de ter esse livro em mãos e levá-lo comigo por aí. A grafia do título me conduz para além dos passos… da realidade, devolvendo-me ao lugar em que cresci, chamando-o de casa. É como ser convidada a uma visita… sento-me no sofá e espero pelo café. Enquanto isso vou observando o lugar daContinuar lendo “ao mesmo tempo | susan sontag”

Edição especial… de Lua de Papel

Ainda não havia exibido aqui… a nova edição do meu primeiro romance Lua de papel, que levou quase cinco anos para ser concluído e que publicado em formato artesanal — que eu escolhi como norte para os meus livros e que acabou sendo uma idéia compartilhada com outros tantos escritores, que assim como eu, encantaram-seContinuar lendo “Edição especial… de Lua de Papel”

durante aquele estranho chá

Num tempo anterior a esse em que eu saia para as ruas sem preocupação e costumava me refugiar na Livraria Cultura… do Conjunto Nacional para fugir do caos promovido pelo famoso horário de pico, da cidade. Lembro-me que fazia calor em Sampa — não como agora — e havia previsão de chuva. Corri para lá…Continuar lendo “durante aquele estranho chá”

De um passado ao outro

Enquanto ouvia notícias do mundo contemporâneo e suas guerras de sempre — comecei a imaginar o que diria-escreveria a autora de “diante da dor dos outros”… a respeito da tomada de Cabul pelo Tabibã, se estivesse viva… Susan foi uma Mulher cheia de opinião e severa na escrita, que não fugia de temas. Estava sempreContinuar lendo “De um passado ao outro”

As cidades e os livros…

Um trecho do livro de Patti Smith — devoção — em que a autora, que é também personagem de suas narrativas, visita um túmulo de em Bybrook Cemetery, em Londres… chamou a minha atenção em todas as vezes em que li o pequeno livro-diário-bloco-de-notas, publicado num tempo anterior a esse, quando eu frequentava livrarias eContinuar lendo “As cidades e os livros…”

algumas páginas de Elizabeth Bishop depois

Ah, estranha vida a de bordo! Cada novo diaRaia mais novo e mais outro que cada dia na terra. — Álvaro de Campos, pág. 221 — O espaço é outro… tudo por aqui é novo — das paredes aos móveis. Ainda não domei essas figuras que saltam a minha volta. Sou estrangeira de novo: naContinuar lendo “algumas páginas de Elizabeth Bishop depois”

Setpum…

Nesse Agosto… completam-se cinco anos do lançamento de Septum. Eu levei um susto quando recebi a notificação. Fui espiar um calendário imaginário, enquanto observava as fotos da Biblioteca Mário de Andrade, onde nos reunimos no ano de 2016 para apresentar ao nosso-mundo — que em um lançamento de livro, encolhe-se consideravelmente — os nossos diários.Continuar lendo “Setpum…”

Da lista dos mais lidos para a minha estante

A maratona literária de maio chega ao fim hoje… e, acho que esse foi o texto-proposta-post mais difícil de elaborar porque eu não sou o tipo de leitora que segue trilhas, indicações ou as famosas listas que se multiplicam na internet.Mas, sou do tipo que não pode ver um livro em mãos alheias, que fazContinuar lendo “Da lista dos mais lidos para a minha estante”

escrito por um homem

Nem precisei observar as minhas caixas de livro ou o meu baú para escrever esse texto. Mas o deixei para o fim da noite porque o dia foi longo e eu estava ocupada com o projeto de um livro, de poesias.Pensei ao longo do dia e suas horas desarticuladas, a pensar nos livros-lidos. Como jáContinuar lendo “escrito por um homem”

escrito por uma mulher

Eu tenho dez caixas de feira… cheias de livros e um baú artesanal. Fora os livros que espalho pelos cantos do apartamento. E ao observar os meus títulos todos — como eu já disse anteriormente, não sou uma colecionadora — fico imensamente satisfeita por dizer que, a maioria por aqui, são de Mulheres.Li muitos autoresContinuar lendo “escrito por uma mulher”