A Casa de Alices

Na noite de ontem, participei de uma palestra para mulheres em um novo espaço. Foi um convite que não pude recusar. A Casa é para mulheres vítimas de maus tratos na periferia paulistana e algumas estão destruídas por dentro, outras apenas por fora, com marcas que desaparecerão em breve. Levei Alice comigo e uma ideiaContinuar lendo “A Casa de Alices”

Loucas noites / Wild Nights

Fui a prateleira há pouco e busquei os livros de Emily… uma decisão tomada ao despertar: ler Emily Dickinson nessa manhã de inverno-domingo. Tenho alguns livros da poeta-mulher, que em seu tempo foi considerada inadequada-imprópria-fora-do-comum. Hoje, muito se fala de Emily e dos motivos que a fez reclusa… da paixão pela cunhada, que morava naContinuar lendo “Loucas noites / Wild Nights”

Questão de ênfase

Antes de sair de casa, na manhã desta quinta-feira — a última de agosto — saquei da prateleira um de meus livros preferidos-lidos-muitas-vezes nos últimos anos, como forma de oxigenar a mente… porque preciso respirar quando finalizo projetos pessoais. Aproveitei os movimentos da Avenida com nome de pássaros e o silêncio das janelas dos prédiosContinuar lendo “Questão de ênfase”

Os livros para o meu Agosto

Eu gosto imenso de arrumar prateleiras! De tempos em tempos, desço todos os livros e organizo a bagunça que faço ao longo dos dias. Sou uma pessoa pautada pela leitura. O outono me remete a certos autores-títulos. O verão a outros. Eu não tenho o menor pudor em ler e re-ler certos títulos, que meContinuar lendo “Os livros para o meu Agosto”

Flores da Relva (leaves of Grass)

“Como se alguém realmente soubesse de minha vida um nada,quando até eu, eu mesmo, tantas vezes sinto que pouco sei ou nada seida verdadeira vida que é a minha: somente uns poucos traçosapagados, uns dados espalhados e uns desvios, que eu buscopara uso próprio, marcando o caminho daqui afora”. Flores da relva (leaves of Grass)WaltContinuar lendo “Flores da Relva (leaves of Grass)”

O que ando a ler | (in)versos

Eu não sei se nos conhecemos em junho… não me lembro. Nem tudo a memória guarda. Algumas coisas, mesmo que preciosas, perdem-se no vácuo de nossa existência. São os famosos espaços em branco que os poetas tanto gostam de preencher. E que sorte temos nós de haver poetas no mundo… Quando conheci Suzana Martins, elaContinuar lendo “O que ando a ler | (in)versos”

O que ando a ler | Solombra…

Que eu gosto — de ao cair da tarde — colocar a chaleira no fogo para preparar uma xícara de chá… não é novidade. Enquanto espero, caminho pelos cômodos da casa, apreciando os meus passos pelo piso-frio e me deixo conduzir até a prateleira, onde escolho um livro de poesias a partir do tato, semContinuar lendo “O que ando a ler | Solombra…”

A leitora que eu sou

Eu nasci na famigerada década de oitenta — a famosa década perdida, com todos os seus excessos. Por aqui, estranhamente, ficou conhecida como a década de ouro. Mas, ao espiar o que era o Brasil desses dias, fica fácil compreender essa geração de alienados e negacionistas que assolam o país atualmente. Impressionante como ninguém seContinuar lendo “A leitora que eu sou”

O que ando a ler | Colcha de Retalhos

Preparei uma xícara de chá e fui observar a manhã que despencou na minha janela… mãos aquecidas pela xícara e o corpo enrolado em uma manta. Fechei os olhos para levar para dentro os aromas da cidade. Engana-se quem pensa que na Paulicéia — nada — desvairada não se respira bem. Há dias mais difíceisContinuar lendo “O que ando a ler | Colcha de Retalhos”

O que ando a ler | Quinta das especiarias

Um dos meus lugares favoritos da casa… é a cozinha. Adoro a alquimia dos ingredientes, a magia das panelas. Mas eu não sou uma pessoa de receitas… Quem já frequentou os jantares que ofereço aos amigos, sabe que eu sou movida pelos meus instintos. O aroma é minha principal ferramenta na hora de combinar ingredientes:Continuar lendo “O que ando a ler | Quinta das especiarias”