Abril, o mais cruel dos meses!

dsc_0039

Eu nunca tive para com Abril uma relação próxima… sempre foi uma espécie de caminho do meio… para se chegar a maio — um dos meus favoritos no calendário, desde a infância. Justamente por suas sonoridades peculiares — o mês das trovoadas.
Sempre tentei relacionar os meses do ano a qualquer coisa minha — para facilitar a convivência, mas nem sempre funciona. Um ou outro mês acabava em suspenso, a deriva — o suficiente para eu me perder dos dias e suas estações inquietas.
Abril, por exemplo, passou a pertencer a Eliot… depois da leitura de seu poema The wast land — e só.
Como nasci invertida… Abril era o mês da primavera-flores-cores-aromas. A época favorita de C., que gostava de sentir o cheiro da flor de laranjeira no quintal de casa. Enquanto eu me aborrecia com o prolongar gradativo dos dias e as noites cada vez mais curtas. Desse lado do atlântico, no entanto, é outono… e, por mais que eu goste dessa estação — ela não pertence a Abril… não combina. Simplesmente não acontece em minha matéria.
E mesmo assim, os dias estão mais curtos… ainda quentes. O outono — estranhamente — foi pontual… chegou na data e horário marcados, expulsando sem cerimônia o verão mais chuvoso dos últimos anos. As noites estão mais frias-escuras e o entardecer acelerado… perfeito para ler poemas em páginas.
Eu fui à prateleira e voltei com Al Berto… que me arrancou o fôlego com um de seus poemas — não nos conhecemos nunca — e tamanho foi o desassossego que precisei escrever ao poeta…

.

 

|  clique aqui para ler a missiva  |