15 — Caminho… e atrás de mim caminham lugares

Caríssima A.a, Comecei a sentir o verão em meu corpo nessa última semana. Vi o sol com seu dourado gasto tingir a fachada dos prédios da alameda. Soube que seria um longo dia azul, com horas abafadas e promessas não cumpridas de chuvas. Eu não sei como as pessoas conseguem ser felizes no verão. EuContinuar lendo “15 — Caminho… e atrás de mim caminham lugares”

Quase Quarenta

Aproveitar o tempo!Ah, deixem-me não aproveitar nada!Nem tempo, nem ser, nem memórias de tempo ou de ser!…Deixem-me ser uma folha de árvore, titilada por brisa,A poeira de uma estrada involuntária e sozinha,O vinco deixado na estrada pelas rodas enquanto não vêm outras,O pião do garoto, que vai a parar,E oscila, no mesmo movimento que oContinuar lendo “Quase Quarenta”