em pequenos goles

Preparei uma xícara de chá e fui me sentar na varanda… para espiar os prédios e suas janelas, a rua sem movimento e algumas falas avulsas, soltas na imensidão do ar. Será um dia quente — disse em voz alta… e ouvi o celular espocar o som de alerta de mensagens. Era um e-mail deContinuar lendo “em pequenos goles”

04 | um verbo para este ano {novo}

…sempre gostei imenso de conjugar os verbos em seus diferentes tempos. Tenho os meus preferidos. Desaparecer, por exemplo, sempre se destacou dentre tantos outros, no idioma local. Lembro-me de descobrir um poeta que se foi sem deixar rastro. Tudo que se sabia dele era o seu pequeno livro de poesias. Tão simples e lúdico. Desapareceu,Continuar lendo “04 | um verbo para este ano {novo}”

13 | No êxtase de um entardecer que não será uma noite*

Eu sempre tive paixão por bússolas! Ganhei uma quando tinha seis anos — um pouco mais ou menos. Sempre fui péssima com essa coisa de idade. Me perco em somas improváveis… começo a contar e daqui a pouco, uma folha se desprende da árvore, um pássaro cruza o ar em movimentos magníficos de asas, umContinuar lendo “13 | No êxtase de um entardecer que não será uma noite*”