É uma rosa rubra a autora dessas linhas

A primeira vez em que tive contato com o branco… foi em sala de aula. Eu era a menina do canto-quieta. A que não se misturava com a turba e não tirava os olhos das páginas do caderno-novo — apreciando com intensa paixão o silêncio de uma página surda-muda-quieta… em branco. Eu queria — desesperadamenteContinuar lendo “É uma rosa rubra a autora dessas linhas”

Último capítulo desse ano-maluco

Noite de dezembro… a primeira — estranhamente agradável depois de um dia quente e tempestuoso. O trabalho ficou para depois, como tantas coisas outras, nesse ano que começou com promessas. Eu não pulei ondas, tampouco fiz pedidos à meia-noite. Não sou do tipo que se veste de branco… mas, eu escrevi uma missiva para oContinuar lendo “Último capítulo desse ano-maluco”

Politicamente (?) correto…

Está tudo muito chato hoje em dia — é uma das frases que mais se repete — de boca em boca — nesse nosso contemporâneo monótono. Virou uma espécie de Norte para os incomodados com o tal do politicamente correto — termo que gera polêmica até na hora de definir a sua origem.Pesquisando, descobri queContinuar lendo “Politicamente (?) correto…”

12 | Le cousine di Lunna…

A primeira coisa que faço ao procurar por uma casa… é espiar os contornos da cozinha, por ser a parte da casa onde meu corpo precisa se acomodar. No quarto eu me abandono de qualquer jeito… é o lugar da cama-colchão-travesseiro-armário-edredom e eu não do tipo que gosta de dormir. Sou aquela que acusa cansaçoContinuar lendo “12 | Le cousine di Lunna…”

26 | Bom dia para você também…

Depois de uma noite tumultuada, desisti do travesseiro e fui andar pelos cômodos da casa e acabei na cozinha. Mas, se eu fosse adepta ao cigarro, daria pesadas tragadas na varanda e deixaria no rastro um ar de nostalgia.O que me tirou o sono? Um personagem que chegou e ficou. Dialogamos boa parte da noite,Continuar lendo “26 | Bom dia para você também…”

22 | O ano que não passou…

Acordei pela manhã com uma sensação de outono na pele e também na alma — mas a moça do tempo disse que o Inverno chegou no sábado, pontualmente às 18h44… horário local. Como se pontualidade fosse coisa-comum por aqui.E para contrariar a moça… o sol emergiu forte logo nas primeiras horas, estampou um dia naContinuar lendo “22 | O ano que não passou…”

14 |  meus três verbos favoritos…

Escrever. Escrever. Escrever. Muitas vezes o mesmo texto… incontáveis vezes. Encontrar palavras no ar…  que interpretem o que vai dentro. Nem sempre conquisto o resultado esperado. Insisto. Eu sou a própria metamorfose “kafakaniana”. Foram tantas as vezes em que acordei na pele de um bicho-monstro-coisa-outra.Mas, ao contrário do personagem de Kafka, nunca houve susto. ApenasContinuar lendo “14 |  meus três verbos favoritos…”

10 | o meu mundo…

Acordei cedo e fui para a varanda observar a cidade sonolenta. Manhã de sexta-feira… e eu a repetir, feito um mantra: hoje é sexta… hoje é sexta… hoje é sexta — sem consequência alguma em minha mente-pele, que seguiu o curso do nåo-saber… coisa bastante comum nesse meu mapa de vivências irregulares.Enquanto aguardava pelo apitoContinuar lendo “10 | o meu mundo…”

03  |  * a quem vê o rosto teu…

Nessas últimas semanas em que tantas despedidas pousaram na ponta dos meus dedos — onde acenos ficaram represados — recordei alguns dos meus ontens. A minha vida —  desde a infância —  é feita de chegadas e partidas. Sempre me lembro — como se tivesse acontecido há pouco —  da cena que presenciei na estaçãoContinuar lendo “03  |  * a quem vê o rosto teu…”

* Let’s take a ride and run with the dogs tonight

Depois de zanzar pelos espaços-cômodos do lugar, fui até a prateleira e após excepcionar os livros… optei pelas crônicas de Hilda. Escolhi a cama para me sentar, com as costas contra a parede e um travesseiro entre nós. Enfiei as pernas debaixo da coberta e virei as páginas sem preocupação alguma — como se fosseContinuar lendo “* Let’s take a ride and run with the dogs tonight”