Loucas noites / Wild Nights

Fui a prateleira há pouco e busquei os livros de Emily… uma decisão tomada ao despertar: ler Emily Dickinson nessa manhã de inverno-domingo. Tenho alguns livros da poeta-mulher, que em seu tempo foi considerada inadequada-imprópria-fora-do-comum. Hoje, muito se fala de Emily e dos motivos que a fez reclusa… da paixão pela cunhada, que morava naContinuar lendo “Loucas noites / Wild Nights”

Questão de ênfase

Antes de sair de casa, na manhã desta quinta-feira — a última de agosto — saquei da prateleira um de meus livros preferidos-lidos-muitas-vezes nos últimos anos, como forma de oxigenar a mente… porque preciso respirar quando finalizo projetos pessoais. Aproveitei os movimentos da Avenida com nome de pássaros e o silêncio das janelas dos prédiosContinuar lendo “Questão de ênfase”

clube de leitura 141

“Escrever é um bonito ato.Cria algo que dará prazer aos outros mais tarde”. Diários de Susan Sontag, pág. 298Ed. Companhia das Letras Cresci em uma casa com livros espalhados por todos os cômodos: empilhados sobre a mesa, esquecidos num canto, sob a luz da luminária, pelos degraus, ao lado das latas de mantimentos, na piaContinuar lendo “clube de leitura 141”

A volta dos manicômios

Faz alguns anos que me causa incômodo o tema… em 2019, o atual governo havia liberado a compra de aparelhos de eletrochoque para o SUS e a internação de crianças e adolescentes em hospitais psiquiátricos, acendendo o receio de que seria inevitável a volta dos manicômios, estruturas que ficaram conhecidas como depósitos de pessoas. MasContinuar lendo “A volta dos manicômios”

06 on 06  | Mas é carnaval… literário!

Eu não sou uma pessoa de Carnaval e acho pouco provável que um dia venha a ser… nunca curti os excessos que seduzem as multidões — aliás, um forte motivo para ficar bem longe das festas carnavalescas. Mas, eu gosto imenso do culto à Dionísio — deus do êxtase e do vinho —, na GréciaContinuar lendo “06 on 06  | Mas é carnaval… literário!”

20 — Nenhum caminho tem esse destino

Cara A.a Sentei-me aqui nesta segunda hora, com uma xícara de chá em mãos… para observar a manhã — nublada — deste domingo… o asfalto lá fora ainda guarda resquícios da chuva da madrugada. Faz dias que o sol tenta ultrapassar — sem sucesso — as nuvens. Às vezes, um raio escapa e alcança oContinuar lendo “20 — Nenhum caminho tem esse destino”

As mulheres que eu leio

É uma necessidade que me acompanha desde menina… contar histórias de mulheres que atravessam o meu caminho ou que observo de longe, em seus caminhos de vida. Mulheres são figuras múltiplas e não há nada de misterioso nelas, como a literatura escrita por homens fez questão de adjetivar durante muito tempo. As mulheres que conheci…Continuar lendo “As mulheres que eu leio”

09 — Reencontrada em lugares inesperados

Caríssima A., Acordei dentro do breu — ainda madrugada — com o silêncio das alamedas. Que vontade de ir lá para fora… apenas com a roupa do corpo — sem proteções e medos. Ainda não consegui me desvencilhar de certos receios: tenho consciência de que não deixarei de usar máscaras tão cedo, por mais queContinuar lendo “09 — Reencontrada em lugares inesperados”

O que ando a ler | Paul Auster

Março começou… mas eu ainda não comecei nada. Nem o projeto do ano em que irá abrigar-agasalhar a minha escrita, nem os projetos que invento e reinvento dentro dos dias. Estou pelo caminho… a flutuar no espaço, like always.Eu li muito — de tudo um pouco nos últimos dias. De poesias outras-alheias. Algumas linhas… euContinuar lendo “O que ando a ler | Paul Auster”

Se comporte como uma Menina…

O Coletivo noturno avançava pelo corredor norte-sul… dentro da noite — um pouco mais cedo que ontem, um pouco mais tarde que amanhã. Observo as luzes do Museu acesas… e me divirto a imaginar fantasmas a admirar as paredes, a mobília, os quadros e esculturas… do lugar.Aproveito o silêncio dos bancos para abrir o livroContinuar lendo “Se comporte como uma Menina…”