Conto Sete Pecados  | com pasta fere, com pasta será ferido…

Giovana vivia sozinha em seu Studio, no centro de São Paulo. Figura discreta e disponível para ajudar os moradores do prédio que brotava no chão com seus oito andares voltados para o viaduto Major Quedinho, perto da famosa lanchonete do Estadão e a meia dúzia da simpática Avenida São Luiz, por onde adorava passear. MuitoContinuar lendo “Conto Sete Pecados  | com pasta fere, com pasta será ferido…”

Vermelho por dentro

Vermelho por dentro é o meu segundo romance e é um livro sobre mulheres — essencialmente.Não há protagonismo de uma ou outra personagem. Cada uma tem suas próprias histórias e um tempo para dizer-se em cada uma das páginas. A narrativa começa — não por acaso — com um casarão, em Paris… onde uma mulherContinuar lendo “Vermelho por dentro”

Romance Lua de Papel

O amor com furor, por meio do objeto amado, alguma coisa que está para além dele. E como não a encontra se desespera D. Miguel de Unamuno Lua de Papel — meu primeiro romance — conta a história de Alexandra Mendes, uma menina do interior… nascida num vilarejo encolhido entre montanhas e que sonha fugirContinuar lendo “Romance Lua de Papel”

Reticências

Reticências foi o meu primeiro projeto de livro-diário e não foi nada fácil alinhavá-lo. Comprei um caderno novo numa papelaria qualquer da cidade e tentei deitar palavras ali. Falhei mi.se.ra.vel.men.te. Tempos depois, optei por folhas avulsas, imitando a poeta estadunidense Emily Dickinson, numa tentativa de escrever a minha versão de: “essa é a minha cartaContinuar lendo “Reticências”

O que ando a ler | (in)versos

Eu não sei se nos conhecemos em junho… não me lembro. Nem tudo a memória guarda. Algumas coisas, mesmo que preciosas, perdem-se no vácuo de nossa existência. São os famosos espaços em branco que os poetas tanto gostam de preencher. E que sorte temos nós de haver poetas no mundo… Quando conheci Suzana Martins, elaContinuar lendo “O que ando a ler | (in)versos”

o primeiro livro

O primeiro livro feito pela Scenarium esgotou-se no tempo exato das costuras, dentro de uma tarde de sábado de agosto. Data escolhida por marcar o passo da Autora… essa que vos escreve… cheguei a São Paulo no dia vinte e seis de agosto para permanecer um punhado de dias, não cheguei a contá-los ou aContinuar lendo “o primeiro livro”

O que ando a ler | Colcha de Retalhos

Preparei uma xícara de chá e fui observar a manhã que despencou na minha janela… mãos aquecidas pela xícara e o corpo enrolado em uma manta. Fechei os olhos para levar para dentro os aromas da cidade. Engana-se quem pensa que na Paulicéia — nada — desvairada não se respira bem. Há dias mais difíceisContinuar lendo “O que ando a ler | Colcha de Retalhos”

06 on 06  | Mas é carnaval… literário!

Eu não sou uma pessoa de Carnaval e acho pouco provável que um dia venha a ser… nunca curti os excessos que seduzem as multidões — aliás, um forte motivo para ficar bem longe das festas carnavalescas. Mas, eu gosto imenso do culto à Dionísio — deus do êxtase e do vinho —, na GréciaContinuar lendo “06 on 06  | Mas é carnaval… literário!”

Edição especial… de Lua de Papel

Ainda não havia exibido aqui… a nova edição do meu primeiro romance Lua de papel, que levou quase cinco anos para ser concluído e que publicado em formato artesanal — que eu escolhi como norte para os meus livros e que acabou sendo uma idéia compartilhada com outros tantos escritores, que assim como eu, encantaram-seContinuar lendo “Edição especial… de Lua de Papel”

Sementes em estado de espera…

…passei à tarde de hoje investigando os meus dias, as minhas horas! Debussy veio comigo. O meu autismo musical me faz ouvir a mesma música em repeat sem nunca me cansar, durante dias inteiros. Foi assim com “claire de lune” — que tocou seguidas vezes. Meus olhos se detiveram junto ao branco do teto por algunsContinuar lendo “Sementes em estado de espera…”