Sementes em estado de espera…

…passei à tarde de hoje investigando os meus dias, as minhas horas! Debussy veio comigo. O meu autismo musical me faz ouvir a mesma música em repeat sem nunca me cansar, durante dias inteiros. Foi assim com “claire de lune” — que tocou seguidas vezes. Meus olhos se detiveram junto ao branco do teto por algunsContinuar lendo “Sementes em estado de espera…”

Manhã de sábado… a caminho da tarde

Fevereiro/01 (2020) Me surpreendi — há pouco — com o olhar de uma menina a bordo de seus sete ou oito anos… talvez mais — talvez menos. Olhar curioso-faminto… de quem avista um pouco de si no outro. Reconheci a mim mesma, num tempo anterior a esse, quando me escondia nos cantos, afundava o corpoContinuar lendo “Manhã de sábado… a caminho da tarde”

Manhã de sábado sem sol, sem chuva… apenas nuvens!

Janeiro/25 Metrô cheio… e eu em pé, no canto oposto a tudo e todos… a me equilibrar ao som de Elis cantarolava — “uma gente que ri quando deve chorar e não vivi, apenas aguenta” e as páginas do pequeno livro de Patti Smith e seu mapa particular de vivências literárias… entre vinte e setentaContinuar lendo “Manhã de sábado sem sol, sem chuva… apenas nuvens!”

Manhã de sábado nublada

Janeiro/11 (2020) Começarei morrendo pelo coração.Gostarei sempre dele, como se gosta do que está extinto,sejam os dragões, os anjos ou as distâncias. Histórias decoisas que não voltam. O meu coração sem visitas perderáa memória e, quando nos separarmos de vez, certamenteserá mais feliz. Se me perguntarem, direi que nasci sem ele.Jurarei e mentirei sempre. —Continuar lendo “Manhã de sábado nublada”

24 | gostar ou não gostar, eis a questão

Eu gosto de gostar… estender a mão para um encaixe e ficar num abraço. De convidar à casa e por a mesa. Escolher o prato, o vinho. Servir o café… com biscoitos de leite que derrete na boca, às vezes, na mão — receita antiga que combina coco-trigo-amido-de-milho-e-manteiga. Mas gosto imenso de não gostar porqueContinuar lendo “24 | gostar ou não gostar, eis a questão”

23 | * já me viram remexendo escombros

Às vezes, pequenos grandes terremotosocorrem do lado esquerdo do meu peito.Fora, não se dão conta os desatentos. — Affonso Romano de Sant´Anna — . Eu não sinto saudades da minha infância! Mas, gosto imenso de saber que tudo — nesse meu cenário particular —, está em seu devido lugar e que posso acessá-lo a qualquerContinuar lendo “23 | * já me viram remexendo escombros”

8 | quem escreve…

“Eu acho que fiz muito bem,considerando que eu comecei com o nadae mais um monte de papel em branco”. Steve Martin. …mulher. colecionadora de silêncios. amante infiel. artesã. arteira. degustadora de cafés…. meu placebo, quase remendo. nasci em Gênova — em 1981 — sob a regência de sagitário… uma flecha em voo rasante. me mudeiContinuar lendo “8 | quem escreve…”