Cartas para todos lerem…

mario de andrade na madrugada de novembro

Adormeci entre livros, sem dar pelo sono em meus olhos, corpo e alma… e acordei na madrugada, a enroscar-me em um punhado de páginas. Mário de Andrade — esse homem-poeta amargurado — me fazia companhia, com todos os títulos que o ‘seu ano’ trouxe as prateleiras.

Li tudo o que tenho dele… nesse ano — depois de decidir construir um mapa de ‘angústias interrogáveis‘ para uso próprio. E a cada página virada acontecia algo curioso: enroscava a minha trajetória humana a dele… indo do desassossego a paz — em míseros segundos.

Enquanto verificava os poemas — que separei para o projeto —, que teve início em algum momento do ano passado,  pensava no motivo da escrita.  A minha,  a dele e de tantos outros que li.

Já ouvi tantas explicações sobre o porquê se escreve… eu mesma já dei tantas respostas diferentes ao longo dos últimos anos. Algumas eram justificativas tolas, respostas imprecisas-imediatas, um dizer-cego — algo dito apenas porque alguém espera uma resposta.

Quando terminei lua de papel,  tinha uma resposta diferente, da que tenho hoje. Não mudou o sentimento,  a necessidade…. mas,  eu mudei. A história, os personagens me fizeram outra e gosto que seja assim — diferente.  A realidade não… essa dificilmente me toca — apenas me faz ter certeza de que seus barulhos são ensurdecedores.

Eu gosto imenso do silêncio daqui de dentro… da pele, da memória, do quarto, da tela. Quando deito no papel as minhas palavras: chove. O que eu escrevo… são os meus trovões. E como eu gosto de trovejar… sou nuvem pela manhã, antes de o dia acontecer, como agora, em que os primeiros movimentos de vida, começam a acontecer lá fora. Respiro fundo, sinto a pulsação no pescoço com a ponta dos dedos e deixo escorrer pelos lábios um sorriso ardiloso.

Anúncios

Projeto fotográfico 6 on 6 | minha cidade

São Paulo não é uma cidade… é um cenário-universo-mundo… com suas contradições de espaço-pessoas-figuras. Tudo aqui se mistura. O diferente se iguala-nivela. O igual se atropela-desespera. As cores se apagam. As luzes se acendem.  Janelas se abrem. Portas se fecham. Estações começam e terminam (no mesmo instante). A lua muda de fase. A rua troca de nome-sentido.  Prédios sobem. Casas descem. Ruas mudam de mão. Pessoas chegam e partem. A paixão nasce intensa em uns. Em outros é ódio que se amplia. Em mim é caminho-casa-pedaço… uma cidade…

 

‘Meu São Paulo da garoa, | — Londres das neblinas finas — | Um pobre vem vindo, é rico! | Só bem perto fica pobre, | Passa e torna a ficar rico’.  — Mário de Andrade

 


 

babilônia— São Paulo! Comoção de minha vida… | Os meus amores são flores feitas de original!…
Arlequinal!… 

DSC_0162— Trajes de losangos… Cinza e ouro…  | Luz e bruma… Forno e inverno morno…

2017-04-25 17.42.58— Elegâncias sutis sem escândalos, sem ciúmes…

sampa— Perfume de Paris… Arys!  | Bofetadas líricas no Trianon… Algodoal!…

2017-05-11 19.57.53-1— São Paulo! Comoção da minha vida…

IMG_20140503_164550— Galicismo a berrar nos desertos da América.


 

Participam desse desafio
Frasco de MemóriaO lado de dentro 

4 – Porque a morte pulsa nas veias da existência e ata minha vida ao bater dos segundos?

 

“AS PALAVRAS DO ANO PASSADO
PERTENCEM À LINGUAGEM DO ANO PASSADO;
E AS PALAVRAS DO PRÓXIMO ANO
ESPERAM POR OUTRA VOZ”…

– T.S.ELIOT –

Caríssima A.,

…ainda ouço o espocar dos fogos na última hora, o estouro das rolhas e o tirintintar das taças nas casas, em meio a abraços, sorrisos e um bom quinhão de desejos manifestados. Velhas promessas são refeitas, algumas simpatias também: há quem coma lentilhas, quem guarde sementes de romã, coloque folhas de louro na carteira e espigas de milho atrás da porta… e em meio a tudo isso ‘nasce’ o ano novo! Eu me divirto com o último segundo da contagem regressiva — me calo, porque não faço parte da turbamulta, que pula, grita, canta, se veste de branco, lança oferendas ao mar, faz promessas que não serão cumpridas. Os meus rituais são outros.

Gosto de pesar os dias, medir as horas… é como fechar um livro após chegar ao fim da leitura. Última página… tudo em suspenso. Ando pela casa com os personagens e suas histórias grudados na alma. Revejo as cenas, os lugares… questiono as escolhas e, em alguns casos, me recuso ao final que ali se encerra, como no livro “a elegância do ouriço”, que na última semana do ano, voltou a me fazer companhia…

Dois mil e dezesseis foi um ano estranho — não foi bom, mas também não foi ruim. Mas eu acusei cansaço dentro de seus ‘trezentos e tantos’ dias… como nunca antes… e, ainda não acabou porque há um pouco de dezembro, em minhas laterais. De novembro e de todos os outros meses, que ainda não foram devidamente degustados por mim, porque eu sou feita de pequenos e demorados goles…

Dois mil e dezessete — esse caderno novo — vai chegar aos poucos, ao seu tempo… consciente de que, a mão que escreve é exatamente a mesma… e a única promessa que faço a mim mesma é de que darei o meu melhor, para cada um de seus doze capítulos.

Considero Janeiro o seu prelúdio… e ouso denominá-lo ‘fleurs du Mal por ser o tempo de aproveitar São Paulo, que nesse mês,  é de fato uma cidade — mais humana, menos mundana… como se, por ser seu aniversário, se sentisse a vontade, para convidar apenas os seus… para a festa. Mas, para não ser tudo tão perfeito: é verão e suas ruas ardem com suas altas temperaturas, que mudam a cor, o aroma e a textura dos lugares.

Ao menos, é a estação das tempestades, com suas nuvens densas, clarões em meio a densa escuridão e fortes trovões em meio a densa escuridão e fortes trovões a fazer estremecer a realidade. Avanço na companhia de Baudelaire, Mário e Susan (sontag) que conversa comigo, em seu diário, onde ficção e realidade são uma mesma coisa… e, daqui a pouco muda o capítulo!

É minha cara, ‘feliz ano novo’… enquanto ainda é novo! Aproveito para desejar que seus capítulos sejam um olhar demorado no espelho, a refletir os versos favoritos.

au revoir