39 — Os sutis movimentos do cuore que nos salvam

na vitrolinha… […] O mundo, para ele, se encolheu até ficar do tamanho de sua sala e, durante o tempo que for necessário para que ele venha a compreender isso, precisa ficar onde está. Só uma coisa é certa: não pode estar em nenhum outro lugar, seria absurdo para ele pensar em procurar um outro.Continuar lendo “39 — Os sutis movimentos do cuore que nos salvam”

Aos cuidados de Martius,

Ciao caro Martius, Eu tentei me lembrar, ainda na primeira hora, de seus dias outros — sem muito sucesso. As notícias do mundo e suas guerras de ocasião não param de chegar e as muitas opiniões me fazem sentir como se estivesse de volta às salas de aula, com o professor F., de história apontandoContinuar lendo “Aos cuidados de Martius,”

10 | o meu mundo…

Acordei cedo e fui para a varanda observar a cidade sonolenta. Manhã de sexta-feira… e eu a repetir, feito um mantra: hoje é sexta… hoje é sexta… hoje é sexta — sem consequência alguma em minha mente-pele, que seguiu o curso do nåo-saber… coisa bastante comum nesse meu mapa de vivências irregulares.Enquanto aguardava pelo apitoContinuar lendo “10 | o meu mundo…”

silêncio, no tempo do ruído

Ah, o outono… finalmente aconteceu e com ele, todas as coisas que se sentem neste tempo de cores quentes. Eu sou uma eterna apaixonada por esse tempo de interiores…A estações são coisas da alma-pele, não de calendários, tampouco de previsões de tempo que, insistem em anunciar a chegada e a partida… como se fosse umaContinuar lendo “silêncio, no tempo do ruído”