39 — Os sutis movimentos do cuore que nos salvam

na vitrolinha… […] O mundo, para ele, se encolheu até ficar do tamanho de sua sala e, durante o tempo que for necessário para que ele venha a compreender isso, precisa ficar onde está. Só uma coisa é certa: não pode estar em nenhum outro lugar, seria absurdo para ele pensar em procurar um outro.Continuar lendo “39 — Os sutis movimentos do cuore que nos salvam”

O que ando a ler | Paul Auster

Março começou… mas eu ainda não comecei nada. Nem o projeto do ano em que irá abrigar-agasalhar a minha escrita, nem os projetos que invento e reinvento dentro dos dias. Estou pelo caminho… a flutuar no espaço, like always.Eu li muito — de tudo um pouco nos últimos dias. De poesias outras-alheias. Algumas linhas… euContinuar lendo “O que ando a ler | Paul Auster”

O que ando a ler | viagens no scriptorium

“Vista dos confins mais distantes do espaço, a Terra não é maior que uma partícula de poeira. Lembre-se disso na próxima vez que escrever a palavra “humanidade”. Paul Auster, em “viagens no scriptorium” . Quando completou cinquenta anos, Paul Auster escreveu — para celebrar o momento — o livro “da mão para a boca”… revelandoContinuar lendo “O que ando a ler | viagens no scriptorium”

Ano 07

PedreiraPaul Auster Não mais que seu canto. Como seo canto e sónos tivesse trazido até aqui. Estivemos aqui, e nunca estivemos aqui. Estivemos a caminho de onde começamos,e estivemos perdidos. Não há fronteirasna luz. E a terranão nos deixa palavrapor cantar. Pois o desmoronamento da terrasob os pés já é música, e andar entre essasContinuar lendo “Ano 07”