As Bibliotecas e eu…

“Cada biblioteca compartilha a orgulhosa ambição de Alexandria, na qual os bibliotecários antigos prentendiam reunir todos os livros produzidos na totalidade do mundo conhecido” Depois do post de ontem… fiquei a pensar a respeito da minha relação com as Bibliotecas, que vem de longe: diretamente do templo sagrado da minha infância. A primeira — daContinuar lendo “As Bibliotecas e eu…”

Biblioteca Mário de Andrade

“Há alguns anos tenho um sonho recorrente. Estou em uma biblioteca – pouco iluminada tal como era a minha na França, com abajures verdes, teto alto, quase invisível – e caminho  implacavelmente pelos corredores cobertos de livros, imaginando quais os volumes que distingo pela lombada. Percebo que esses livros imaginários são um sonho no sonhoContinuar lendo “Biblioteca Mário de Andrade”

6 on 6  |  Arte de rua…

Gosto imenso de sair para as ruas, com o passo solto e o olhar atento para ver o que me atinge — feito um raio. Uma das primeiras andanças das quais tenho lembranças vem lá da infância… andávamos pelos arredores do bairro em que moravámos e ao atravessarmos uma das muitas ruas estreitas da cidade,Continuar lendo “6 on 6  |  Arte de rua…”

A última fotografia

Faz tempo que não saio para a noite com uma câmera em mãos… Tenho saído com o cão, mas não faço registro algum, das coisas que vejo e toco. Apenas vigio os meus passos — um hábito antigo — observo as ranhuras no chão e espio o que brota do cimento. Outro dia, me depareiContinuar lendo “A última fotografia”

Avenida Paulista 130 anos

Na primeira vez em que pisei na Avenida Paulista… fazia poucos dias que estava em São Paulo e não sabia quase nada a respeito do principal endereço da cidade. Tinha ouvido falar a respeito… era o endereço o Masp, do Parque Trianon e da maratona de São Silvestre, que começava e terminava em frente aoContinuar lendo “Avenida Paulista 130 anos”

15 — Caminho… e atrás de mim caminham lugares

Caríssima A.a, Comecei a sentir o verão em meu corpo nessa última semana. Vi o sol com seu dourado gasto tingir a fachada dos prédios da alameda. Soube que seria um longo dia azul, com horas abafadas e promessas não cumpridas de chuvas. Eu não sei como as pessoas conseguem ser felizes no verão. EuContinuar lendo “15 — Caminho… e atrás de mim caminham lugares”

Um lugar para a minha escrita…

Minha escrita é mais ou menos como eu… uma criatura indócil que precisa de movimentos dispares-urbanos-contrários, qualquer coisa de passado-presente-e-futuro devidamente misturados e um canto seguro-confortável para existir-acontecer — Ser. Não consigo escrever em lugares comuns… organizados para esse fim. E sei disso graças ao fracasso após inúmeras tentativas. Na casa onde cresci, havia uma biblioteca-escritório… comContinuar lendo “Um lugar para a minha escrita…”

Domingo é dia de feira…

…hoje é domingo e, eu dei aos pés o sabor dos passos-largos pelas calçadas com seus desenhos de andar e fui à feira. Eu gosto imenso de transitar entre as cores e aromas que as barracas coloridas — armadas na rua dos pássaros — exibem. Provo da textura das frutas bem arrumadas numa —  singularContinuar lendo “Domingo é dia de feira…”