11 | Vermelho por dentro

Num agosto outro, estava eu a caminhar pelos trilhos da velha ferrovia, equilibrando-me… com os braços bem abertos e o passo certeiro. Não havia destino, era apenas uma brincadeira. O nonno, preferia pisar os dormentes e estar por perto caso eu me desequilibrasse, algo que não chegou a acontecer.Sempre tive paixão por trilhos, trens eContinuar lendo “11 | Vermelho por dentro”

Ontem foi dia das mães…

Ao me sentar para escrever a respeito da data — dia das mães — na tarde de ontem… uma pergunta gritou dentro… por que as pessoas acham que as mães tem por obrigação amar os filhos? — sempre me pareceu incoerente atrelar um sentimento a qualquer coisa de obrigação. A maioria justifica que é assimContinuar lendo “Ontem foi dia das mães…”

08 | vermelho, por dentro!

Eu estava em Paris — dias de abril — para um reencontro combinado no dia anterior. Tinha escolhido a mesa, feito o pedido e me acomodado na cadeira do Café de Flore — para esperar por Pr., para juntos comer blinis e beber café no mesmo lugar que Beauvoir e Sartre.Eu sempre chego antes aos CafésContinuar lendo “08 | vermelho, por dentro!”

05 | sobre o mês de abril aqui no blogue…

Há tempos que sei que tenho leitores assíduos aqui no blogue… confesso que não esperava por isso quando comecei a usar essa ferramenta. Levei um susto quando me deparei com os comentários e me surpreendi com a proximidade para alguns leitores que voltavam para ler o que eu escrevia. Há leitores de longas datas. UnsContinuar lendo “05 | sobre o mês de abril aqui no blogue…”