41 — Duas pessoas sentam-se à mesa…

Domingo de maio… o último! Caríssima M., Ainda sinto reverberar em minha pele certas palavras… Fui e voltei de uma centena de lugares, mas o meu corpo permaneceu nessa mesa, onde escrevo desde que perdi o hábito de sair e percorrer alamedas para acomodar o meu corpo em uma dessas mesas bem merecidas de algumContinuar lendo “41 — Duas pessoas sentam-se à mesa…”

Abril conjungou o verbo: transbordar

aumenta o som Abril chegou, passou e acabou! Não foi rápido-ligeiro, tampouco lento ou preguiçoso… foi mais um mês com seus trinta dias. E eu experimentei outro b.e.d.a — bloging.every.day.april — com posts diários, escritos a partir de um fio condutor, que eu ainda não sei se eu o escolhi ou se fui escolhida porContinuar lendo “Abril conjungou o verbo: transbordar”

6 ON 6 | Outono…

A moça do tempo avisou sobre a chegada do ou.to.no em meados de março… a mesma data anotada no calendário. Mas, na paisagem o que se fazia sentir era o ve.rão… que deixou para fazer tudo arder em seus últimos instantes. Tomou fôlego e caprichou nas ‘águas de março’ e nas altas temperaturas… Abril chegouContinuar lendo “6 ON 6 | Outono…”

6 ON 6 | A Rotina do meu dia

Eu costumava dizer que não suporto rotinas… mas, ao admirar meus movimentos de vida, percebi que minha realidade é como minha música favorita — ligada no repeat. Atualmente, vivo na companhia de Carly Simon… Saio para as ruas, percorro calçadas, escrevo notas mentais-textos futuros. Bebo café-chá-vinho e aprecio os cenários, as pessoas e espero peloContinuar lendo “6 ON 6 | A Rotina do meu dia”

Oração para esse dia em catarse

A mesa no canto estava a minha espera, mas eu optei por ir lá para fora enquanto aguardava pela bebida. Ocupei o lugar dela, repetindo certos gestos, tentando olhar através daqueles olhos castanhos claros-nublados de fumaça. Eu me distrai com as coisas de sempre-minhas… A esquina a dizer a pressa dos homens pautadas por vermelhoContinuar lendo “Oração para esse dia em catarse”

Na parte amarela do meu mapa de vivências…

Dia quente-fumegante… sem nuvens — todo Azul… dei meia dúzia de passos pelas ruas do bairro. Mãos no bolso da calça, pensamento solto e idéias galopantes. Frases soltas no vazio se esparramam… Depois de virar esquinas, atravessar ruas… acabei no mesmo lugar de sempre — entre esquinas… cadeira-mesa ao lado da porta e, enquanto aguardavaContinuar lendo “Na parte amarela do meu mapa de vivências…”